Batalha de mulher contra o câncer é registrada pelo marido em fotos emocionantes.

Batalha de mulher contra o câncer é registrada pelo marido em fotos emocionantes.

“É ela” – é assim que Angelo Merendino descreve a sensação que teve ao conhecer Jennifer, em 28 de Agosto de 2005 eu trabalhava como bartender quando avistei Jen pela primeira vez, era inteligente, comunicativa, muito na dela e um sorriso incrível uma presença contagiante.

Cerca de um mês depois Jen se mudou para Manhattan e eu fiquei em Cleveland, sempre procurava seu rosto no pub, e ela sempre estava em meu pensamento ! Que mulher diferente, esfuziante, inteligente, por varias vezes em que lhe servia alguns drinks prestava atenção em suas conversas, como não se apaixonar ? Jen era a mulher mais bonita que eu conhecia, era cheia de vida, e tinha um jeito que fazia você se sentir como se fosse a pessoa mais importante do mundo.

Graças á esse tecnologia e a internet eu a encontrei e passamos a nos falar todos os dias e namorar á distancia, ela já estava em Nova York, e eu amava passar horas conversando com ela, o assunto nunca acabava, eu me divertia muito pois ela era engraçada – Eu estava louco por Jen.

Após um ano de telefonemas e conversas, brigas e acertos, muita risada e tanta afinidade decidi visitar Jen eu estava determinado á compartilhar meus sentimentos, trabalhei minha coragem e fui ao encontro dela, então eu disse que a amava e que não conseguia mais ficar sem ela, foi então que ela respondeu : Eu me sinto da mesma maneira.

Começamos então á namorar agora com contato físico e encontros e 6 meses depois eu me mudei para Nova York, la chegando fui comemorar minha mudança com ela em nosso restaurante preferido, foi então que eu a pedi em casamento, e para minha surpresa ela aceitou.

Nos casamos no Central Park, quando a vi caminhando em minha direção não consegui conter as lagrimas, eu nunca tinha sido tão feliz em minha vida, mal podia acreditar que aquela mulher linda, gentil e forte, pelo qual me foi tão difícil estar unido também sentia o mesmo por mim. Sim o amor existe, eu me casei com a garota dos meus sonhos, a vida era perfeita.

Após 5 meses fui jogado de cabeça no sofrimento com o telefonema dela me dizendo que tinha um câncer, nosso foco se tornou muito simples, sobreviver , tudo bem pq tínhamos um ao outro e nosso amor só ficou mais forte.

Minhas palavras falhavam a cada dor q ela sentia, eu ficava em silencio, foi então que decidi usar minha profissão e minha câmera para registrar meu amor e as palavras que não existiam mais, foi a coisa mais importante que eu fiz além da união que brotou em nossa família.

Ao compartilhar nossa história de amor, algo bonito começou a nascer de algo tão horrível e injusto. Se não compartilharmos nossas experiencias como podemos aprender, crescer e sobreviver ?

Antes de dormir todos os dias eu e Jean perguntávamos um ao outro qual havia sido a pior e a melhor coisa daquela data, geralmente era assim : Quando você passou a mão nos meus cabelos, Quando estava no Hospital fazendo a Quimio e você segurou a minha mão. Naquela noite em que ela se foi, e nos deitamos juntos pela ultima vez perguntei á ela, E hoje oque você mais amou ? … ela pensou por uns minutos, me olhou tão fundo como nunca havia olhado antes e disse : “EU AMEI TUDO”

Esta não é uma história de amor convencional. O vilão, um câncer, parece roubar a cena do romance do fotógrafo Angelo Merendino e da executiva Jennifer Merendino, um casal de Nova York. Mesmo sem a perspectiva de um final feliz, os dois uniram forças para combater a doença. E, juntos, mostraram ao mundo a luta pela vida e a força dessa união

Esta não é uma história de amor convencional. O vilão, um câncer, parece roubar a cena do romance do fotógrafo Angelo Merendino e da executiva Jennifer Merendino, um casal de Nova York. Mesmo sem a perspectiva de um final feliz, os dois uniram forças para combater a doença. E, juntos, mostraram ao mundo a luta pela vida e a força dessa união

Em 2008, Jennifer foi diagnosticada com tumor nas mamas. A doença foi descoberta apenas cinco meses depois do casamento dela com Angelo. Em seu blog, ele relembra como reagiram ao resultado dos exames.

Em 2008, Jennifer foi diagnosticada com tumor nas mamas. A doença foi descoberta apenas cinco meses depois do casamento dela com Angelo. Em seu blog, ele relembra como reagiram ao resultado dos exames.

Quando Jen, como Angelo costumava chamá-la, precisava ir ao hospital, geralmente ela estava sentindo uma dor quase incontrolável. Às lágrimas, segurava-o forte pelo braço e dizia que só conseguiria suportar o sofrimento se Angelo fixasse os olhos no olhar dela. — Nós nos amamos com cada fragmento das nossas almas. Jen me ensinou a amar, a ouvir, a doar e a acreditar nos outros e em mim

Quando Jen, como Angelo costumava chamá-la, precisava ir ao hospital, geralmente ela estava sentindo uma dor quase incontrolável. Às lágrimas, segurava-o forte pelo braço e dizia que só conseguiria suportar o sofrimento se Angelo fixasse os olhos no olhar dela.
— Nós nos amamos com cada fragmento das nossas almas. Jen me ensinou a amar, a ouvir, a doar e a acreditar nos outros e em mim

Jennifer venceu o câncer de mama ainda em 2008. Entretanto, menos de dois anos depois, exames mostraram metástases, ou seja, a doença se espalhou para outras partes de seu corpo Leia mais: Câncer de mama tem cura quando diagnosticado precocemente

Jennifer venceu o câncer de mama ainda em 2008. Entretanto, menos de dois anos depois, exames mostraram metástases, ou seja, a doença se espalhou para outras partes de seu corpo
Leia mais: Câncer de mama tem cura quando diagnosticado precocemente

O câncer atingiu os ossos de sua cintura, o fígado e o cérebro de Jen. Para combater os tumores, Jen teve que passar por diversas sessões de quimioterapia

O câncer atingiu os ossos de sua cintura, o fígado e o cérebro de Jen. Para combater os tumores, Jen teve que passar por diversas sessões de quimioterapia

A quimioterapia é um tratamento agressivo. Visa à destruição das células cancerosas, mas acaba danificando também as células saudáveis do paciente. Por isso, Jen sofria de uma dor crônica, advinda dos efeitos colaterais de sua medicação. Esse sofrimento físico e, claro, psíquico comprometia a rotina do casal. Tanto Jen quanto Angelo achavam que os amigos ou parentes que moravam em outros Estados dos EUA não estavam entendendo a situação que enfrentavam. — As pessoas tendem a partir do pressuposto de que o tratamento faz você se sentir melhor, que as coisas voltam a ficar OK, que a vida volta ao "normal". Porém, não existe nada normal na terra do câncer

A quimioterapia é um tratamento agressivo. Visa à destruição das células cancerosas, mas acaba danificando também as células saudáveis do paciente. Por isso, Jen sofria de uma dor crônica, advinda dos efeitos colaterais de sua medicação.
Esse sofrimento físico e, claro, psíquico comprometia a rotina do casal. Tanto Jen quanto Angelo achavam que os amigos ou parentes que moravam em outros Estados dos EUA não estavam entendendo a situação que enfrentavam.
— As pessoas tendem a partir do pressuposto de que o tratamento faz você se sentir melhor, que as coisas voltam a ficar OK, que a vida volta ao “normal”. Porém, não existe nada normal na terra do câncer

"Como os outros podem entender que nós temos que conviver com esse incômodo dia a dia?", questionava-se o casal. Para compartilhar essa dura realidade com familiares e amigos, Angelo começou a registrar em fotos todos os momentos de Jen

“Como os outros podem entender que nós temos que conviver com esse incômodo dia a dia?”, questionava-se o casal.
Para compartilhar essa dura realidade com familiares e amigos, Angelo começou a registrar em fotos todos os momentos de Jen

A princípio, o casal só queria mostrar as cenas para as pessoas próximas. Entretanto, os dois "escolheram encarar todos e postar as informações na rede, se as pessoas quisessem [buscar]", disse Angelo ao site The Huffington Post. A luta de Jen contra o câncer virou um ensaio fotojornalístico, um documentário sobre "o desafio, a dificuldade, medo, tristeza e solidão" na batalha mais importante da vida dos dois

A princípio, o casal só queria mostrar as cenas para as pessoas próximas. Entretanto, os dois “escolheram encarar todos e postar as informações na rede, se as pessoas quisessem [buscar]”, disse Angelo ao site The Huffington Post.
A luta de Jen contra o câncer virou um ensaio fotojornalístico, um documentário sobre “o desafio, a dificuldade, medo, tristeza e solidão” na batalha mais importante da vida dos dois

As imagens do dia a dia de Jen foram publicadas na internet. O projeto foi batizado de A Batalha que Nós Não Escolhemos: a luta da minha mulher contra o câncer de mama. Segundo Angelo, o objetivo é "humanizar a face do câncer". — [Minhas fotos] mais do que tudo mostram nosso Amor. Essas fotos não nos definem, mas elas são nós

As imagens do dia a dia de Jen foram publicadas na internet. O projeto foi batizado de A Batalha que Nós Não Escolhemos: a luta da minha mulher contra o câncer de mama.
Segundo Angelo, o objetivo é “humanizar a face do câncer”.
— [Minhas fotos] mais do que tudo mostram nosso Amor. Essas fotos não nos definem, mas elas são nós

Em entrevista à CNN, Angelo disse que Jennifer pedira para que as fotos fossem uma "representação honesta do périplo dela". — Eu me lembro de ela dizer coisas como: "Eu não quero esconder nada" e "Eu quero ajudar os outros — não apenas mulheres, mas qualquer um com câncer"

Em entrevista à CNN, Angelo disse que Jennifer pedira para que as fotos fossem uma “representação honesta do périplo dela”.
— Eu me lembro de ela dizer coisas como: “Eu não quero esconder nada” e “Eu quero ajudar os outros — não apenas mulheres, mas qualquer um com câncer”

À medida que a doença avançava, as restrições no dia a dia de Jen aumentavam. Com os movimentos prejudicados, ela precisou usar bengalas e muletas

À medida que a doença avançava, as restrições no dia a dia de Jen aumentavam. Com os movimentos prejudicados, ela precisou usar bengalas e muletas

Por meio de seu documentário público na internet, Angelo tenta mostrar como a mulher dele foi uma heroína. — Quero que as pessoas conheçam sobre heróis de verdade, alguém que tem algo contra si, como foi o caso dela, e reage. Esse tipo de herói

Por meio de seu documentário público na internet, Angelo tenta mostrar como a mulher dele foi uma heroína.
— Quero que as pessoas conheçam sobre heróis de verdade, alguém que tem algo contra si, como foi o caso dela, e reage. Esse tipo de herói

Foram quase quatro anos de luta, força, disposição, vitórias e derrotas. Tudo está documentado, registrado na internet

Foram quase quatro anos de luta, força, disposição, vitórias e derrotas. Tudo está documentado, registrado na internet

Com o projeto, Angelo espera ajudar as pessoas do mundo todo na prevenção do câncer. Em entrevista à CNN, ele disse que "quer que as mulheres façam mamografias e homens, check-ups". Ele também torce para que todos fiquem mais conscientes sobre o sofrimento dos outros e saibam que, às vezes, não é preciso saber o que dizer. — Às vezes, basta dizer: "Eu te amo"

Com o projeto, Angelo espera ajudar as pessoas do mundo todo na prevenção do câncer. Em entrevista à CNN, ele disse que “quer que as mulheres façam mamografias e homens, check-ups”. Ele também torce para que todos fiquem mais conscientes sobre o sofrimento dos outros e saibam que, às vezes, não é preciso saber o que dizer.
— Às vezes, basta dizer: “Eu te amo”

Oque mais me ligou e me deixou apaixonado por Jen era seu amor pela vida e a mania de fazer eu rir sempre de tudo ... ‘’Nós nos aproximamos tanto e podíamos nos comunicar com poucas palavras. Nós nos amamos muito profundamente… Jen era tudo! Eu tirava fotos quando algo mexia comigo, quando eu sentia alguma coisa em meu coração. Sou muito sensível e sabia como a Jen estava se sentindo... Acho que segui meu coração.'' (Angelo Merendino)

O que mais me ligou e me deixou apaixonado por Jen era seu amor pela vida e a mania de fazer eu rir sempre de tudo …
‘’Nós nos aproximamos tanto e podíamos nos comunicar com poucas palavras. Nós nos amamos muito profundamente… Jen era tudo! Eu tirava fotos quando algo mexia comigo, quando eu sentia alguma coisa em meu coração. Sou muito sensível e sabia como a Jen estava se sentindo… Acho que segui meu coração.” (Angelo Merendino)

A outra coisa que me deixava apaixonado era sua fé e sua força . Jennifer morreu aos 40 anos em 2011. Em sua lápide, está escrito: "Eu amei tudo isso". Desde o adeus dela, Angelo tem recebido muito incentivo e elogios dos internautas do mundo inteiro, comovidos com a luta de sua mulher e a história de amor dos dois

A outra coisa que me deixava apaixonado era sua fé e sua força . Jennifer morreu aos 40 anos em 2011. Em sua lápide, está escrito: “Eu amei tudo isso”.
Desde o adeus dela, Angelo tem recebido muito incentivo e elogios dos internautas do mundo inteiro, comovidos com a luta de sua mulher e a história de amor dos dois

Eu casei com a garota dos meus sonhos !

Eu casei com a garota dos meus sonhos !

Nunca vou esquecer a voz de Jen no telefone 5 meses após nosso casamento dizendo que tinha um câncer estou paralisado até hoje

Nunca vou esquecer a voz de Jen no telefone 5 meses após nosso casamento dizendo que tinha um câncer estou paralisado até hoje

O ensaio sobre a dor e o amor de Jen e Angelo está ao alcance de todos na internet: A Batalha que Nós Não Escolhemos: a luta da minha mulher contra o câncer de mama

O ensaio sobre a dor e o amor de Jen e Angelo está ao alcance de todos na internet: A Batalha que Nós Não Escolhemos: a luta da minha mulher contra o câncer de mama

Se valeu a pena? E ele afirma que não trocaria os 5 anos que viveu com ela por nada no mundo.

Se valeu a pena? E ele afirma que não trocaria os 5 anos que viveu com ela por nada no mundo.

Priscyla Poll

Colunista Social, Escritora por amor, Historiadora interrompida, Fotógrafa Intermediária, Jornalista desde sempre, Autêntica, Maluca, Super Sincera. Decepcionando pessoas e Cometendo Erros, te desiludindo nas horas vagas.

Related Posts
Deixe um comentário