Quem quer arruma um jeito

Quem quer arruma um jeito

Quem quer arruma um jeito, quem não quer arruma uma desculpa 

Eu até quero, … Adoraria ser seu amigo, na verdade sou louco para saber oque quero, você me pegou na curva, estou sem palavras, tenho medo de me envolver. Disse o Pinóquio, antes de evaporar, dar uma de babaca e pular em direção ao galho da solteirice.

“Tenho medo de me envolver”? Sério que alguém ainda tem coragem de mandar essa ladainha?  Jura mesmo que tem gente acreditando nisso por ai? Porque para mim, isso não passa de uma enorme desculpa, de papinho mais furado que bunda de moçoila viciada em coca-cola. Por quê? Porque a vida me mostrou que o ser humano, quando realmente deseja alguma coisa – seja ficar perto de alguém, seja aprender a tocar Stairway to Heaven na guitarra, ver sua banda preferida de Rock em outro pais -, da um jeitinho; faz miséria para transformar muralhas aparentemente intransponíveis em muretinhas facilmente ultrapassáveis.

Enquanto as pessoas que não estão verdadeiramente a fim vivem de cuspir subterfúgios como “na verdade sou louco para saber o que quero”, “estou estudando demais”, “tive que viajar” e o famoso “tenho medo de me envolver”, os que realmente querem estar com alguém procuram formas de fazer com que a relação aconteça, seja para que um beijo role, uma relação forte floresça ou uma transa apenas, e as encontram, acredite.

Quer um exemplo? Tenho um amigo que passou cerca de três anos viajando mais de setecentos quilômetros por semana.  Por quê? Porque essa foi a maneira que ele encontrou para fazer com que o namoro dele desse certo, oras e deu! O considerável investimento em gasolina certamente não foi em vão: logo o casal fará bodas de qualquer coisa. E isso acredite se quiser, aconteceu no mesmo planeta em que já ouvi gente afirmando que precisou terminar uma relação por causa de 100 quilômetros (distancia entre São Paulo e Campinas). Dá para acreditar? Desculpa, mas eu não consigo. Não mesmo. Fale-me de alienígenas disfarçados de blogueiros hipsters, mas, por favor, não me diga que você terminou uma relação para dedicar mais tempo aos estudos ou que precisou escolher entre ela e a faculdade. Você terminou, principalmente, porque não tinha mais vontade de estar com ela, admita! Não foi conhece-la porque não quis. O resto é papo de Agostinho Carrara, blábláblá que você inventou para engana-la – e se autoenganar.

Quando há vontade verdadeira, minha cara poucas são as distancias, estudos, amigos, sogras pentelhas, exigências profissionais, ex-namoradas psicopatas, medos e divergências de crenças capazes de inviabilizar uma relação. O oposto também pode ser dito, ou seja, quando não há vontade – ou quando ela se perde em meio à monotonia da rotina-, qualquer mínima discordância – até mesmo as que ocorrem no campo minado da política e do futebol – já se parece uma irrefutável razão para dizermos “Não tem mais jeito, acabou, boa sorte.” Estou errada?

Sabe aquele cara que vive curtindo tudo o que você posta nas redes sociais? E que vive a dizer que está morrendo de saudades, mas que nunca – nem mesmo em feriado prolongado! – consegue se encontrar com você? Sabe? A verdade é que ele NÃO está afim de você nem um pouquinho, sorry pela sinceridade. Ou acha que o paspalho, se realmente sentisse tudo o que lhe escreve, e estivesse afim da sua boca, ou de te apertar e ao menos escutar seu papo cabeça e trocar altas ideias com você na longa madrugada, já não teria arrumado um jeito de passar um tempo – nem que apenas uns minutinhos – ao seu lado?

Obvio que sim Querida. Ele disse que não pode ir naquele barzinho que vc despretensiosamente chamou: “Estou aqui com uns amigos, se tiver afim dá uma passada”, ou para algo gostoso só você e ele, beber algo e conversar, rir, e se conhecer? Ou disse que estava em semana de provas? Plantão? Viajando? Reunião? – Desculpa furada detected! Alerta Vermelho! Quem realmente quer, descobre uma maneira de fazer acontecer, repito. Que maneira? Dorme menos, descola um falso atestado de conjuntivite, acorda mais cedo, rouba um helicóptero, inventa uma ameaça de bomba para evacuar o trabalho, manda fazer um clone e por ai vai… Tendeu?

O Caio Fernando de Abreu estava certíssimo quando disse: “Quem quer arruma um jeito. Quem não quer arruma uma desculpa”.

Priscyla Poll

Colunista Social, Escritora por amor, Historiadora interrompida, Fotógrafa Intermediária, Jornalista desde sempre, Autêntica, Maluca, Super Sincera. Decepcionando pessoas e Cometendo Erros, te desiludindo nas horas vagas.

Related Posts
Comentário ( 1 )
  1. Fernanda
    17 de maio de 2015 at 23:38
    Reply

    Arrasou gatona! É isso, disse nada mais que a VERDADE! Como pode existir gente tao COVARDE a Esse ponto? Só lamento….o cavalo passa arriado somente uma vez! #proNtofalei!

Deixe um comentário