Uma mulher é estuprada a cada três horas no Brasil.

Uma mulher é estuprada a cada três horas no Brasil.

De acordo com os casos “registrados”, no Brasil uma mulher é estuprada a cada três horas. Estamos falando apenas dos casos registrados através do LIGUE 180.

Esta estatística foi relatada segundo o último balanço divulgado, equivalente aos dez primeiros meses de 2015 em comparação com o mesmo período em 2014, a Central de Atendimento à Mulher constatou que houve aumento de 165,27% nos casos de estupro, com média de oito relatos por dia – ou seja, um caso a cada 3 horas.
Portanto quero deixar aqui algumas dicas importantes para que você saiba como agir ou orientar as pessoas caso saiba de algum caso ou venha a passar por essa covardia.

Como denunciar?

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) enfatiza que o testemunho, ou seja, a palavra da vítima, funciona na Justiça: como na maioria das vezes o estupro é um crime sem testemunha, é a voz da mulher que serve como prova. Lembrando que todo processo de violência sexual corre em segredo.

O primeiro passo é ligar para o número 180 e entrar em contato com a central telefônica para atendimento às vítimas, criada pela Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM). Colocado à disposição das brasileiras, é um canal para as mulheres denunciarem seus agressões, com serviço gratuito, que funciona 24 horas por dias (inclusive fins de semana) e orienta as mulheres a buscarem o apoio necessário explicando os passos que devem ser tomados para resolver o problema.

Você pode, também, recorrer ao Disque Direitos Humanos, o Disque 100. A central funciona 24 horas por dia, durante todos os dias da semana, inclusive feriados. Basta ligar, de qualquer cidade, para o número 100, para denunciar violações aos direitos de crianças, adolescentes, idosos, portadores de deficiências físicas e de grupos em situação de vulnerabilidade, ou ainda para obter informações. A pessoa não precisa se identificar.

Na delegacia

– Conte a sua história ao delegado ou delegada. Não permita que te convençam a desistir ou diminuam o poder da sua palavra. “Ele pode oferecer resistência. Insista, é seu direito”, asseguram advogados e mestres em Direito.
– Antes de sair da delegacia, confira se a sua história foi contada da maneira correta e peça uma cópia do boletim de ocorrência.

Priscyla Poll

Colunista Social, Escritora por amor, Historiadora interrompida, Fotógrafa Intermediária, Jornalista desde sempre, Autêntica, Maluca, Super Sincera. Decepcionando pessoas e Cometendo Erros, te desiludindo nas horas vagas.

Related Posts
Deixe um comentário