Câncer de Mama, conheça os 3 tipos suas diferenças e previna-se.

Câncer de Mama, conheça os 3 tipos suas diferenças e previna-se.

O aparecimento de um câncer de mama, além de desafiador, é sempre um mistério. A doença pode ter muitos desfechos diferentes, dependendo, por exemplo, do tipo de tumor.
Você sabe quais são? Descubra a seguir.
Existem 3 principais subtipos de câncer. Cada um deles terá um tratamento diferente e, em alguns casos, um prognóstico mais ou menos favorável.

Tumor hormonal

A mulher com o tumor popularmente chamado de hormonal possui um grande número de receptores de estrogênio e/ou progesterona na lesão cancerígena. Se por um lado isso significa que essas substâncias fazem o câncer crescer, por outra abre mais uma possibilidade de tratamento: a terapia hormonal.

THINKSTOCK
Os receptores são detectados através de estudo do tecido canceroso.
Os tumores com receptor hormonal respondem muito bem a esse tipo de tratamento, que pode ser utilizado antes ou depois da retirada do tumor ou no tratamento de metástase. Em casos em que acontece metástase, os tumores hormonais são aqueles em que a sobrevida costuma ser maior.

O oncologista Rafael Kaliks, diretor científico do Instituto Oncoguia e Hospital do Câncer, explica que existem alguns diferentes tipos de terapia hormonal oferecidos como tratamento à mulher com câncer de mama. Em alguns casos, a paciente pode deixar de responder a esse tratamento e, então, existem opções para reativar a sensibilidade da mulher aos remédios. Quando essa sensibilidade é perdida por completo, a quimioterapia passa a ser a principal medicação.

Apesar de não ser um tratamento como a quimio e a radioterapia, que estendem sua ação também às células saudáveis, a terapia hormonal causa efeitos colaterais principalmente por alterar os hormônios femininos. Pode ocorrer perda de massa óssea e muscular, sensações parecidas com as da menopausa, entre outros sintomas.

Tumores com receptores hormonais também podem ser do tipo HER-2 positivo.

Tumor HER-2 positivo

HER-2 é a sigla para “Human Epidermal growth factor Receptor-type 2” (receptor tipo 2 do fator de crescimento epidérmico humano, em tradução livre). Trata-se de uma proteína que pode estar presente na membrana das células cancerígenas. Quando ela existe em abundância, o câncer é classificado como tipo HER-2.

Apesar de ser um tipo de câncer de mama mais agressivo, ele permite o uso da terapia-alvo. O oncologista Rafael Kaliks explica essa medicação é capaz de aumentar muito a sobrevida de pacientes com câncer de mama metastático. “Uma mulher que viveria 2 anos sem o tratamento, passa a ter uma expectativa de 6 anos”, conta. O medicamento pode ser obtido por planos de saúde, mas não está disponível no SUS.
Outro benefício está no fato de a terapia-alvo agir apenas nas células doentes, sem agredir as saudáveis, o que diminui os efeitos colaterais.

THINKSTOCK
Os tumores HER-2 podem ser tratados com terapia-alvo.
Tumores do tipo HER-2 também podem ser hormonais, ou seja, nesse caso o câncer é hormonal e HER-2 positivo ao mesmo tempo.

Tumor triplo negativo

Quando o tumor não possui receptores de estrogênio, progesterona ou HER-2, ele é classificado como triplo negativo. Nesse caso não existe um tratamento específico e são utilizados métodos mais convencionais, como a quimioterapia, a radioterapia, além da mastectomia. Rafael Kaliks explica que atualmente existem tratamentos quimioterápicos que oferecem menos efeitos colaterais, permitindo que a mulher mantenha uma boa qualidade de vida enquanto se trata.

Mulheres que têm metástase e os tumores são do tipo triplo negativo têm menor tempo de vida em comparação com mulheres que têm os outros dois tipos de câncer de mama.

MÁTERIA ESPECIAL – OUTUBRO ROSA.

Priscyla Poll

Colunista Social, Escritora por amor, Historiadora interrompida, Fotógrafa Intermediária, Jornalista desde sempre, Autêntica, Maluca, Super Sincera. Decepcionando pessoas e Cometendo Erros, te desiludindo nas horas vagas.

Related Posts
Deixe um comentário